27 de maio de 2008

you, my friend


As gotas iluminadas pelo candeeiro de rua precipitavam-se crescentemente pelo beiral, dando lugar a uma cascata de âmbar. A chuva quebrava o negrume nocturno numa vertical perfeita. Não havia vento e eu não tinha frio, apesar das calças encharcadas e da pele congelada. Os teus olhos captavam o brilho do âmbar flamejante que impregnava a noite. "Adorei andar de mota à chuva contigo.", privei-me de te dizer, pois irias rir-te de mim.
- Toma um banho quente antes de te deitares.
Respondi com um sorriso de revés e fiquei a ver-te pôr novamente o capacete e as luvas.
- Até amanhã...
O ruído da mota congelou o tempo por breves instantes e, quando dei por mim, estremecia frugalmente sob o beiral, acompanhada apenas pelo som da chuva.

3 comentários:

Ricardo Santos disse...

A vida é e sempre foi feita de momentos: pequenos, grandes, longos, rápidos...

Não te esqueças de continuar a documentar os momentos que fazem parte da tua vida =)

É bom ler algo bom e vindo de alguém que o faz por paixão.

Beijinhos Grandes

Matalonga Jorge disse...

Olá Diana, finalmente! Foi atravês do blog da Rita Dias que consegui aqui chegar...
Parabéns, conseguiste uma boa imagem também no título do blog.
Acho que ainda vou ter que aprender umas coisas para configurar o meu(hehehe)!
Um beijinho para ti
Sofia

Diana disse...

Obrigada Ricardinho! Espero que não ignores essa tua paixão que também tens adormecida...

Sofia!!! Companheira de matilha! Obrigada pelos elogios e tenho a certeza que uma artista como tu vai ter um blog espectacular! =) mal posso esperar para o ver!